Museu Nacional sedia encontro de capoeira a partir de hoje

Programação, que segue até domingo (12), inclui debates, oficinas e apresentações artísticas de mestres da modalidade

Conferência de abertura dará panorama histórico na sociedade escravista e nas lutas da resistência africana no Brasil
(Foto: Reprodução/Internet)

 

Para promover a prática da modalidade como cultura brasileira, a capital federal vai sediar o Encontro de Capoeira do Distrito Federal, de sexta-feira (10) a domingo (12).

Leia mais em Esporte

Nos três dias, mestres, alunos, pesquisadores e representantes do poder público estarão reunidos na Biblioteca Nacional de Brasília e no Anexo I do Museu Nacional de Brasília — Setor Cultural Sul (próximo à Rodoviária do Plano Piloto).

Além de palestras, oficinas, debates e rodas de capoeira com as principais vertentes — angola, regional e contemporânea —, estão previstas apresentações artísticas dos mestres Tião Carvalho e Martinha do Coco (veja abaixo a programação completa).

Os participantes vão discutir políticas públicas para a capoeira e a implementação do Plano Coletivo de Salvaguarda para a Capoeira no Distrito Federal e Região Integrada de Desenvolvimento do DF e Entorno (Ride).

O evento é promovido pela Secretaria de Cultura, por meio da Subsecretaria de Cidadania e Diversidade Cultural.

Na conferência de abertura, será feita uma abordagem histórica da capoeira na sociedade escravista e nas lutas da resistência africana no Brasil.

Também integra o programa do encontro a definição das bases para criar um inventário dos grupos e organizações de capoeira brasilienses e da Ride.

Capoeira é Patrimônio Cultural da Humanidade

Criminalizada até a década de 1930, a capoeira é uma manifestação cultural afro-brasileira presente em todo o território nacional e em mais de 150 países.

Em 2014, foi reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

No entanto, de acordo com a Secretaria de Cultura, ainda há poucas políticas públicas na área para preservar a memória e tradição da modalidade.

Com características multidimensionais, ela é, ao mesmo tempo, dança, luta e jogo, e tem os saberes transmitidos de forma oral e gestual.

Informações históricas demonstram que a capoeira seja derivada da dança N’golo, praticada no sul de Angola, em meados do século 17, em ritos de passagem à fase adulta daqueles povos.

Matéria retirada de Agência Brasília

Revista Águas Claras

Seu canal de notícas em Águas Claras, Brasília e Brasil.

Email:

contato @revistaaguasclaras.com.br

 

Fax:

+061 3034 0000 / 9908 9100